Caros usuários e visitantes

Bem vindo ao novo Fórum Citroën Clube!

Visitantes, qualquer problema com cadastro ou ativação, por favor nos envie um email para registro@ccdob.com.br.

Usuários antigos, se é seu primeiro acesso na nova versão de fórum, será necessário que você redefina sua senha. Basta tentar fazer o seu login, em seguida clicar em "Esqueci a Senha" e seguir os passos para redefinição de sua senha.

Não pudemos reaproveitar os nomes de exibição de cada usuário. Sendo assim, seu próprio usuário de login será o mesmo a ser exibido nas postagens. Caso queira alterar seu nome de usuário, clique aqui e faça a solicitação.

Grato, a Administração.

Opções de fluidos (mais eficientes) para o câmbio AL4

Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #1 por Xamã » Qua Out 03, 2012 8:54 pm

:D Prezados companheiros do Citroen Clube do Brasil,

sou membro recente da comunidade e andei pesquisando muito sobre os problemas do câmbio AL4 nos PUG e Citroens da vida. Fui proprietário de Vectra, Civic e Corolla automáticos e, hoje, sou o feliz proprietário de um C4 Pallas BVA GLX prata, ano/modelo 2011/2012, sendo que uma análise do carro em elevador me mostrou alguns detalhes técnicos preocupantes.

Inicialmente, pude perceber que há uma grande diferença nos sistemas de troca de calor dos câmbios Aisin e dos AL4, haja vista a existência de uma radiador de óleo à parte nos primeiros e de uma flange refrigerada com a água do sistema de refrigeração do veículo nos segundos. Tal fato já me parece um problema no que concerne à manutenção de uma temperatura em níveis mais baixos do óleo do câmbio automático, eis que a própria válvula termostática do motor impediria reduções mais expressivas na temperatura do óleo do câmbio AL4.

Cheguei a rodar mais de 80.000 kms no Vectra Next Edition que tive e a cor do óleo era sempre a dos fluidos ATF tradicionais, ou seja, um vermelho marcante, sendo que o custo de reparação nunca me assustou haja vista a utilização de óleos padrão DEXRON MERCON II ou DEXRON III tradicionais, muito baratos (faixa de R$ 15,00, por litro).

Me questionei se o problema não estaria especificamente na qualidade do fluido de óleo utilizado, que permitiria muito cisalhamento (desgaste) no período de assentamento das peças móveis do câmbio e, com isso, com o excesso de particulados microscópicos (que não seriam captados pelo filtro da caixa) em suspensão, destruiria as eletroválvulas, que passariam a ter sobre si todo o peso dos defeitos da caixa de marcha.

É muito falado que o problema estaria nas eletroválvulas da marca ACUTEX, utilizadas anteriormente às BORG WARNER, mas tive informações que a troca foi motivada mais por questões contratuais (de preço final praticado por fornecedores de peças) do que efetivamente por problemas técnicos da peças em questão. Se esta versão dos aftos é verídica, não tenho tecnbicamente como afirmar, mas é fato também que as eletroválvulas BORG WARNER não deram tanto trabalho como as utilizadas antes. O que posso afirmar é que as solenóides antigas trabalhavam dentro de uma faixa de onda quadrada de 50 Hz, ao passou que as novas trabalham com coisa de 100 Hz ou mais, para esquentarem menos durante seus ciclos de trabalho.

Me questionei também acerca das características do fluido ATF, que seriam necessárias para suportar uma operação em temperaturas mais altas, sob um sistema de troca de calor deficitário, sendo que as pesquisas na internet revelaram mais produtos que podem ser utilizados nos câmbios AL4 sem problemas.

O primeiro deles, fugindo da máxima de que apenas os óleos Mobil LT71141 e Pentosin ATF1 podem ser utilizados nos Citroen automáticos, é o Motul Multi ATF. Trata-se de um fluido moderno, com tecnologia sintética e que, em sua literatura técnica, deixa às claras ser uma opção às transmissões AL4. Curiosamente, nos sites brasileiros de representantes comerciais do óleo, esta informação não é veiculada e o consumidor paga cerca de R$ 70,00 (quando não mais... :icon_smile_8ball: ) por óleos semi - sintéticos quando poderia pagar o mesmo ou até menos por um óleo mais avançado e, com certeza, mais estável/durável sob condições críticas de serviço.

Este será o fluido que utilizarei na troca de óleo que realizarei no meu Pallas, quando o mesmo completar os seus primeiros 30.000 quilômetros, eis que tenho observado que, quase sempre, os relatos de quem teve o problema com o câmbio AL4 dão conta de que o fluido do câmbio estava imprestável, com coloração muito escura, cheiro de queimado (já li relatos que afirmam isto...), quantidade considerável de particulados metálicos (limalha mesmo! :65322: ) e viscosidade irremediavelmente comprometida.

Senhores, acho que o problema todo está no óleo e nas condições a que o mesmo é submetido quando o câmbio é utilizado.

Um óleo novo e de superior qualidade nos AL4, tendo já sido ultrapassado o período inicial de assentamento das peças metálicas móveis internas do câmbio, poderia ser a solução para uma vida útil bem longa do conjunto, superior até a de transmissões consideradas inquebráveis, como era a caixa Aisin que tive no Vectra.

Óbvio que, quando da troca, o software de contagem de queda de viscosidade do fluido terá de ser zerado e a programação do câmbio, visando mais suavidade, terá de ser atualizada.

Um outro fluido que substitui, como opção, os conhecidos Mobil LT 71141 e Pentosin ATF1, é o Castrol Mutivehicle ATF. Trata-se de outro produto que, no site da Castrol do Brasil, não traz em suas especificações técnicas (vide o link: <a href="http://www.castrol.com/liveassets/bp_internet/castrol/castrol_brazil/STAGING/local_assets/downloads/t/Multivehicle_ATF_DT.pdf" target="_blank">Castrol</a>) a aptidão para ser utilizado nas caixas AL4, mas é um óleo que pode ser usado sem problemas nas mesmas.

Como sei disso?

Fuçando a internet, especialmente em sites estrangeiros, com as exigências que eram cumpridas pelos óleos Mobil LT71141 e Pentosin ATF1, comecei a achar produtos outros que atendiam exatamente aos mesmos requisitos, sendo que no caso do Motul Multi ATF, houve referência expressa de que atendia aos parâmetros dos fluidos ATF Mobil/Shell LT71141 e Pentosin ATF1 (vide o link: <a href="http://www.motul.com/system/product_descriptions/technical_data_sheets/149/Multi_ATF_(GB).pdf?1335542544" target="_blank">Motul Datasheet</a>). No caso do Castrol Multivehicle ATF. me chamou especial o índice de viscosidade bem mais elevado em comparação ao do fluido ATF1 da Pentosin. O Castrol tem índice 194 ao passo que o Pentosin tem índice 171, parecendo que o Castrol teria aditivação mais avançada no que concerne aos aditivos melhoradores do índice de viscosidade (Index Viscosity Improvers ou IVV's).

E que parâmetros são estes? Em que temos que nos basear para sabermos se há ou não compatibilidade de um fluido com as nossas caixas de marcha AL4?

Bem, basta ir ao link supramencionado (da ficha técnica do Motul Multi ATF) para observar quais são as especificações necessárias para atender as caixas de marcha da Citroen e da BMW, que usam o fluido LT71141, fixando principalmente os códigos abaixo alencados:

Aisin JWS 3309

Audi/Volkswagen G052162 A1/A2/A6

BMW 83229407807

Citroen Z000169756

Jaguar JLM20238

Mercedes-Benz 0019892203

Peugeot Z000169756

Porsche 99991754700

Rolls Royce PL 31493PA


Curiosamente, o site da Castrol nos EUA faz referência direta à compatibilidade do produto com os parâmetros exigidos pelas marcas BMW (LT71141 e Shell M 1375.4), Land Rover e Jaguar.

Vide o site no link:<a href="http://www.castrol.com/liveassets/bp_internet/castrol/castrol_usa/STAGING/local_assets/downloads/p,q/pds_ImportMV.pdf" target="_blank">Castrol USA</a>

Será que a solução para os problemas das caixas AL4 não passa por uma simples revisão dos procedimentos adotados para a manutenção destas transmissões? Ora, penso que já passou da hora de deixarmos de lado a questão do óleo "lifetime", já que não há nada em mecânica que seja "lifetime" (nem nós somos "lifetime"... :icon_smile_big: ) e que seria o caso de procurarmos, na verdade, baratear os custos para a aquisição dos fluidos ATF mais avançados (baixando o valor de compra, por litro, para coisa de no máximo R$ 30,00 {trinta reais}), de modo que se tornasse uma praxe uma primeira lavagem completa do sistema, a cada 30.000 ou 40.000 kms, por coisa de R$ 450,00 ou R$ 500,00.

A qualidade superior dos fluidos utilizados e a própria lavagem completa da caixa (incluindo o conversor de torque), em momento oportuno (anterior), permitiria estender a segunda troca do fluido, sem problemas de eletroválvulas e de software, para coisa de 70.000 ou 80.000 quilômetros.

Bom, no Brasil ainda há a opção de utilizarmos na transmissão AL4 o fluido da ELF, embalado como peça original para a Renault sob o título "Renaultmatic D3 Syn", que nada mais é do que um produto similar ao da Mobil (o LT 71141) fabricado pela petrolífera francesa.

O preço deste produto tem sido mais "camarada" (se é que é possível afirmar isto... :966283: ), sendo possível comprar o fluido por aproximadamente R$ 45,00, o litro, na internet.

Bom, pessoal, espero ter ajudado com opções extras de fluidos de excelente qualidade para os nossos carros. Não confio no Mobil LT71141 como melhor opção, eis que em fóruns internacionais, como o "Bob is the oil guy", é considerado custoso demais e de desempenho apenas mediano.

Optei por nivelar por cima e espero ter ajudado a todos. Um outro conselho que dou aos proprietários de Citroen diz respeito ao fluido de refrigeração do motor e da caixa automática. Pelo amor do bom Deus, não utilizem água de bica para completar o nível do reservatório de expansão dos veículos. Só usem água destilada/deionizada, ou melhor, "água de bateria" (de boa marca, de preferência) e aditivo sintético nos carros, para impedir problemas no sistema todo e, principalmente, para evitar furos no trocador de calor que fica na carcaça da caixa automática.

Um abraço grande e tomara que as informações por mim repassadas ajudam esta comunidade a ser mais feliz com os veículos Citroen automáticos.

Xamã :lol:


C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012

Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #2 por Xamã » Qua Out 03, 2012 11:23 pm

:D Prezados,

seguem algumas informações:

Primeiramente, o óleo Castrol Multivehicle ATF, comercializado no Brasil, não corresponde à versão vendida nos EUA sob o título "Castrol Import Multivehicle ATF". A versão tupiniquim é, na verdade, o defasado "Castrol Domestic Multivehicle ATF", que se resume a um bom fluido Mercon/Dexron III rebatizado e, portanto, não é indicado para as nossas caixas de câmbio AL4.

As minhas mais sinceras desculpas a todos, mas falhei ao ter em mente que podiam se tratar de produtos análogos. Me preocupei em postar logo a retificação, eis que um amigo, nos EUA, me noticiou agora tal fato, via Facebook.

Há um fluido a mais que pode ser usado com vantagens em nossas transmissões. Trata-se do Elfmatic G3 LL, cuja fica técnica está neste link: <a href="http://www.totaloil.com.au/Pages/content/NT0000C5AE.pdf" target="_blank">Elfmatic G3 LL</a>

Sinceramente, não encontrei o Elfmatic G3, na versão sintética e de alta durabilidade, totalmente compatível com as caixas AL4 e Renault DP0, classificada pelas letras "LL" no rótulo da embalagem, em lugar algum.

Só acho a versão mais barata e popular do Elfmatic G3, no Mercado Livre, mas que não é adequada às necessidades das transmissões automáticas da Citroen.

Um abraço a todos e a discussão sobre mais opções de fluidos continuará,
Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
tiuzao
Habilitado
Mensagens: 65
Registrado em: Qua Out 12, 2011 10:42 am
Nome: tiuzão

Mensagem #3 por tiuzao » Sex Out 05, 2012 5:21 pm

Caro amigo, vc esta bem informado quem sabe pode me ajudar.

Tenho um C5 2006 V6 que é eqipdado com um cambio da AISIN AM 6 de 6 marchas o veiculo sou o segundo dono comprei de uma empresa aqui na minha cidade ,o carro era usado pelo vice-presidente da empresa. ele esta com 128000km e preciso conferir o nivel do ATF dele pois estou desconfiado que ja esta na hora. Aqui na minha cidade e tambem nas concessionarias ninguem conheçe o cambio,falam pra por qualquer oleo, outrosfalam que não precisa, enfim informações sem criterio tecnico.

E recomendado pelo manual e descritivo tecnico que pesquisei o ATF MOBIL JWS 3309 que nem a propria MOBIL via email me confirmou que não tem no Brasil

Pergunto.
Nos seus estudos voçê pode me recomendar um ATF que atenda a norma JWS 3309 ??

Não tenho a intenção de trocar todo o ATF a principio apenas completar o nivel se necessario.
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #4 por Xamã » Sáb Out 06, 2012 7:55 am

[quote name='tiuzão' date='Oct 5 2012, 05:21 PM' post='19078']
Caro amigo, vc esta bem informado quem sabe pode me ajudar.

Tenho um C5 2006 V6 que é eqipdado com um cambio da AISIN AM 6 de 6 marchas o veiculo sou o segundo dono comprei de uma empresa aqui na minha cidade ,o carro era usado pelo vice-presidente da empresa. ele esta com 128000km e preciso conferir o nivel do ATF dele pois estou desconfiado que ja esta na hora. Aqui na minha cidade e tambem nas concessionarias ninguem conheçe o cambio,falam pra por qualquer oleo, outrosfalam que não precisa, enfim informações sem criterio tecnico.

E recomendado pelo manual e descritivo tecnico que pesquisei o ATF MOBIL JWS 3309 que nem a propria MOBIL via email me confirmou que não tem no Brasil

Pergunto.
Nos seus estudos voçê pode me recomendar um ATF que atenda a norma JWS 3309 ??

Não tenho a intenção de trocar todo o ATF a principio apenas completar o nivel se necessario.
[/quote]

:D Nobilíssimo tiuzão,

primeiramente, o meu muito obrigado pela confiança depositada.

Já te respondo, desde logo, que o Motul Multi ATF - que mencionei no meu post inaugural deste tópico - é um óleo ATF sintético que pode ser usado sem problemas no teu carro. Ele atende à norma JWS 3309 e a várias outras sem problemas. Trata-se de um produto bem moderno, de alto nível.

O óleo original do teu câmbio, formulado pela Mobil, é este aqui do link: <a href="http://www.mobil.com/USA-English/Lubes/PDS/GLXXENPVLMOMobil_ATF_3309.aspx" target="_blank">Mobil ATF 3309</a>

Este óleo normalmente atende às normas dos fabricantes elencados abaixo:

Audi TT, A3 G-052-025-A2
Ford Five Hundred Montego WSS-M2C924-A
Lexus Most models JWS 3309/Type T-IV
Mitsubishi Fuso FE 2005 and newer vehicles
Porsche Cayenne S, Cayenne Turbo JWS 3309/Type T-IV
Saab 9.3, 9.5 All 5-speed automatics
Saturn Vue, Ion GM9986195
Toyota Most models JW 3309/Type T-IV
Volkswagen Touareg, Beetle, Cabriolet !
Volvo S60, S70, V70, C70, S80, XC90, S40, V40 All 5-speed automatics


A primeira coisa que podemos concluir é que a norma JWS 3309, que dá nome ao produto original, é similar à norma do fabricante Toyota "Type - IV", de modo que um fluido que atenda a ambas poderá ser usado sem problemas na tua transmissão.

Pela quilometragem do câmbio, sou obrigado a te dizer que simplesmente completar o nível do óleo não é a melhor opção para uma vida longa do conjunto. O ideal, para garantir que o câmbio continue perfeito, seria realizar um verdadeiro "enxágue" interno do mesmo, de modo que não restasse mais qualquer resquício de fluido antigo em seu interior.

É triste o que vou te dizer, mas não há fluido de câmbio automático que chegue aos 128.000 kms inteiro e não há fluido que seja "lifetime", ou seja, que dure a vida inteira de uma transmissão... :65322:

A não ser que a vida da transmissão seja muito, mas muitíssimo curta, como acontece com as AL4 quando o tal fluido ATF original de fábrica é deixado dentro das mesmas pelo tempo que for, sem substituição.

A notícia boa é que tua transmissão aceita o processo de "flushing", com máquina apropriada para tal. Para saber mais deste processo, veja este link: <a href="http://automatik.com.br/manutencao/troca_fluido.asp" target="_blank">flushing de caixa automática</a>

Desta forma, o amigo não sofrerá o que sofrem os donos dos Citroens e Peugeots da vida, equipados com a caixa AL4, eis que estes últimos têm que comprar 15 ou 16 litros de fluido para conseguir fazer uma lavagem interna da transmissão a contento.

No teu caso, de acordo com o projeto AISIN da caixa AM 6 (conhecida no exterior também como TF-80SC), há refrigeração por trocador de calor externo (radiador de óleo à parte), de modo que o processo de lavagem da caixa é muito mais simples, rápido, limpo e, até mesmo, barato, já que não se gasta tanto óleo assim para fazer uma limpeza boa e integral dos componentes internos da transmissão.

Como a AM 6 é usada também pelos Volvo (com o código TF - 80SC), a própria Volvo fornece um manual de como deve ser feita a limpeza completa do sistema, que o amigo poderá visualizar por este link aqui: <a href="http://ww2.justanswer.com/uploads/enesd/2011-01-01_185206_xc90_v8_transmission_fluid_change.pdf" target="_blank">Troca do fluido ATF da caixa AM6 (TF - 80SC)</a>

Assim, aconselho o amigo a efetuar uma lavagem completa do sistema, através de máquina de troca de fluido de transmissão automática específica. Há empresas, como a Pradomatic e a Automatik (não tenho qualquer vínculo com estas empresas, OK!), que têm estas máquinas e que fazem o serviço em um tempo não superior a 40 (quarenta) minutos, mas sempre é bom pesquisar por conta das absurdas variações de preço de mão - de - obra.

A transmissão vai trabalhar zerada mais uma vez e vossa senhoria, tiuzão, ficará tranquilo ao saber que tua máquina está dentro dos conformes, com fluido novinho em folha, mais uma vez.

Mas vamos voltar a falar dos fluidos compatíveis.

O amigo já sabe que o Motul Multi ATF serve. Trata-se de um produto caro, que sai por coisa de R$ 70,00 o litro.

O fluido utilizado pelos Toyota originalmente, de especificação Type - IV, também serve. E, vejam só, é fabricado pela Mobil (!!!). Ou seja, é o Mobil ATF 3309... :966283:

Nos concessionários da marca japonesa, o amigo encontrará este óleo com o nome "Toyota Automatic Transmission Fluid T-IV", mas o lado negativo deste produto é que se trata de um composto mineral, ao passo que o Motul é um produto sintético e, teoricamente, mais puro, estável quimicamente e durável.


Há uma empresa nova, sediada no Brasil, conhecida como Z - Lub (vide o site em <a href="http://www.zlub.com.br" target="_blank">http://www.zlub.com.br</a>), que produz um fluido ATF 100% sintético, conhecido com Z - Lub ATF VI, que também atende integralmente às especificações requeridas pela tua caixa de marchas (JWS 3309). Parece ser um produto formulado com componentes de boa qualidade. O custo deste óleo deve estar na faixa de R$ 65,00 o litro. Tenho que, inclusive, postar que este óleo também atende às necessidades dos câmbios AL4 (LT71141 e Z 000169756), sendo mais uma opção de fluido para os proprietários de Citroen e Peugeots, conforme se verifica abaixo:

Allison - C-4, TES 295/389
Audi / Vw - LT 71141, G-052-025-A2, G-052-162-A2, G-052-182-A2, G-052-990-A2, G-055-005-A2, G-055-025-A2, G 060 162 A2, GUS 000162
AW-1 (19256039)
Bmw – 83 22 0 440 214, 83 22 9 407 765, 83 22 0 142 516, 83 22 0 403 249, 83 22 2 152 426 (LT 71141, LA2634, ETL 7045E, ETL 8072B, M-1375.4)
Chrysler, Dodge, Eagle, Jeep - Mopar® ATF+3 (7176), ATF +4 (9602 / 05013457AA), AS68RC (05189966AA), NAG 1 (05127382AA )
Citroen / Peugeot – Z 000169756
Exxon Mobil - LT 71141
Ford - Mercon® V, LV e SP, Motorcraft® - XT-5QM, XT-6-QSP, XT-8-QAW, XT-9-QMM5, XT-10-QT
Fuchs - ATF 3353
GM - Dexron® III-G/H e VI (88861003) e T-IV (889000925 / 22697447)
Honda / Acura - 08200-9001 (ATF Z-1) e DW-1(exceto CVT)
Hyndai – ATF RED 1K (00232-19024), SP III (00232-19012) e SP IV (00232-19045)
Idemitsu – K17, ATF-HP
Isuzu
Jaguar - 8342 (C2C8432)
Jaso - 1A
JWS – 3309 (T-IV / 0000-77-114E-01), 3314, 3317 e 3324
Kia – ATF Red-1 (UM040-CH020), Diamond SP III (UM010-CH002) e SP IV (UM090-CH042)
Land Rover - LR002748 e LRN 13754
Mann - 339
Mazda - ATF M-V(T- M5) (0000-77-112E-01)
Mercedes Benz - 236.10 (A 001 989 21 03), 236.11 (A 001 989 22 03), 236.12 (A 001 989 45 03) e 236.14 (A 001 989 68 03)
Mini – 83 02 0 402 413
Mitsubishi - Dia Queen SP III (ACH1ZC1X05), J-3 (4031610)
N402
NWS - 9638
Nissan - D (999MP-AA100P), J (999MP-MTJ00P), K (999MP-MTK00P), S (999MP-MTS00P) e W (999MP-MTW00P)
Pentosin - ATF-I, FFL-2, FFL-3 e FFL-4
Porche - 000 043 207 29, 000 043 304 00
Renault – D3
Saab – 40-93-160-393, 93-165-147
Saturn – 22689186 (T-IV), 21005966
Shell - LA2634, LA3403-M 115, M-1375.4
Sterling - ATF
Subaru – K0140Y0700, S0A868V9241 (ATF-HP)
Suzuki – S, 3317
Texaco - ETL-7045E, ETL-8072B e N402
Toyota - T-IV (00279-000T4) e WS (00289-ATFWS)
TQ95
Voith - 55.6335.33 (G607), H55.6336.33 (G1363)
Volvo - 1161521, 1161540-8
ZF - Lifeguard 6, AA 00 601 304, S6 71 090 0255, S671 090 170, TE-ML 03D, 04D, 09, 11B, 14A, 14B, 14C, 16L, 17C


Mandei e-mail para a Z - Lub perguntando acerca de algumas das características físico - químicas do ATF VI deles e estou aguardando uma resposta. Aparentemente, trata-se de um bom produto e uma opção a mais bem interessante para os donos de carros com transmissão AL4 (Citroens e Peugeots de quatro cilindros) e AM6.

No exterior, há outras opções de fluidos, como os Valvoline Maxlife e o próprio Castrol Import Mulivehicle ATF, mas acho que o melhor, no Brasil, é ficar com as opções que te forneci.

Um abraço grande e estou à vossa disposição para mais dúvidas que surgirem.

Xamã :lol:
Editado pela última vez por Xamã em Sáb Out 06, 2012 8:05 pm, em um total de 1 vez.
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
tiuzao
Habilitado
Mensagens: 65
Registrado em: Qua Out 12, 2011 10:42 am
Nome: tiuzão

Mensagem #5 por tiuzao » Dom Out 07, 2012 7:16 am

[quote name='Xamã' date='Oct 6 2012, 08:55 AM' post='19080']
:D Nobilíssimo tiuzão,

primeiramente, o meu muito obrigado pela confiança depositada.

Já te respondo, desde logo, que o Motul Multi ATF - que mencionei no meu post inaugural deste tópico - é um óleo ATF sintético que pode ser usado sem problemas no teu carro. Ele atende à norma JWS 3309 e a várias outras sem problemas. Trata-se de um produto bem moderno, de alto nível.

O óleo original do teu câmbio, formulado pela Mobil, é este aqui do link: <a href="http://www.mobil.com/USA-English/Lubes/PDS/GLXXENPVLMOMobil_ATF_3309.aspx" target="_blank">Mobil ATF 3309</a>

Este óleo normalmente atende às normas dos fabricantes elencados abaixo:

Audi TT, A3 G-052-025-A2
Ford Five Hundred Montego WSS-M2C924-A
Lexus Most models JWS 3309/Type T-IV
Mitsubishi Fuso FE 2005 and newer vehicles
Porsche Cayenne S, Cayenne Turbo JWS 3309/Type T-IV
Saab 9.3, 9.5 All 5-speed automatics
Saturn Vue, Ion GM9986195
Toyota Most models JW 3309/Type T-IV
Volkswagen Touareg, Beetle, Cabriolet !
Volvo S60, S70, V70, C70, S80, XC90, S40, V40 All 5-speed automatics


A primeira coisa que podemos concluir é que a norma JWS 3309, que dá nome ao produto original, é similar à norma do fabricante Toyota "Type - IV", de modo que um fluido que atenda a ambas poderá ser usado sem problemas na tua transmissão.

Pela quilometragem do câmbio, sou obrigado a te dizer que simplesmente completar o nível do óleo não é a melhor opção para uma vida longa do conjunto. O ideal, para garantir que o câmbio continue perfeito, seria realizar um verdadeiro "enxágue" interno do mesmo, de modo que não restasse mais qualquer resquício de fluido antigo em seu interior.

É triste o que vou te dizer, mas não há fluido de câmbio automático que chegue aos 128.000 kms inteiro e não há fluido que seja "lifetime", ou seja, que dure a vida inteira de uma transmissão... :65322:

A não ser que a vida da transmissão seja muito, mas muitíssimo curta, como acontece com as AL4 quando o tal fluido ATF original de fábrica é deixado dentro das mesmas pelo tempo que for, sem substituição.

A notícia boa é que tua transmissão aceita o processo de "flushing", com máquina apropriada para tal. Para saber mais deste processo, veja este link: <a href="http://automatik.com.br/manutencao/troca_fluido.asp" target="_blank">flushing de caixa automática</a>

Desta forma, o amigo não sofrerá o que sofrem os donos dos Citroens e Peugeots da vida, equipados com a caixa AL4, eis que estes últimos têm que comprar 15 ou 16 litros de fluido para conseguir fazer uma lavagem interna da transmissão a contento.

No teu caso, de acordo com o projeto AISIN da caixa AM 6 (conhecida no exterior também como TF-80SC), há refrigeração por trocador de calor externo (radiador de óleo à parte), de modo que o processo de lavagem da caixa é muito mais simples, rápido, limpo e, até mesmo, barato, já que não se gasta tanto óleo assim para fazer uma limpeza boa e integral dos componentes internos da transmissão.

Como a AM 6 é usada também pelos Volvo (com o código TF - 80SC), a própria Volvo fornece um manual de como deve ser feita a limpeza completa do sistema, que o amigo poderá visualizar por este link aqui: <a href="http://ww2.justanswer.com/uploads/enesd/2011-01-01_185206_xc90_v8_transmission_fluid_change.pdf" target="_blank">Troca do fluido ATF da caixa AM6 (TF - 80SC)</a>

Assim, aconselho o amigo a efetuar uma lavagem completa do sistema, através de máquina de troca de fluido de transmissão automática específica. Há empresas, como a Pradomatic e a Automatik (não tenho qualquer vínculo com estas empresas, OK!), que têm estas máquinas e que fazem o serviço em um tempo não superior a 40 (quarenta) minutos, mas sempre é bom pesquisar por conta das absurdas variações de preço de mão - de - obra.

A transmissão vai trabalhar zerada mais uma vez e vossa senhoria, tiuzão, ficará tranquilo ao saber que tua máquina está dentro dos conformes, com fluido novinho em folha, mais uma vez.

Mas vamos voltar a falar dos fluidos compatíveis.

O amigo já sabe que o Motul Multi ATF serve. Trata-se de um produto caro, que sai por coisa de R$ 70,00 o litro.

O fluido utilizado pelos Toyota originalmente, de especificação Type - IV, também serve. E, vejam só, é fabricado pela Mobil (!!!). Ou seja, é o Mobil ATF 3309... :966283:

Nos concessionários da marca japonesa, o amigo encontrará este óleo com o nome "Toyota Automatic Transmission Fluid T-IV", mas o lado negativo deste produto é que se trata de um composto mineral, ao passo que o Motul é um produto sintético e, teoricamente, mais puro, estável quimicamente e durável.
Há uma empresa nova, sediada no Brasil, conhecida como Z - Lub (vide o site em <a href="http://www.zlub.com.br" target="_blank">http://www.zlub.com.br</a>), que produz um fluido ATF 100% sintético, conhecido com Z - Lub ATF VI, que também atende integralmente às especificações requeridas pela tua caixa de marchas (JWS 3309). Parece ser um produto formulado com componentes de boa qualidade. O custo deste óleo deve estar na faixa de R$ 65,00 o litro. Tenho que, inclusive, postar que este óleo também atende às necessidades dos câmbios AL4 (LT71141 e Z 000169756), sendo mais uma opção de fluido para os proprietários de Citroen e Peugeots, conforme se verifica abaixo:

Allison - C-4, TES 295/389
Audi / Vw - LT 71141, G-052-025-A2, G-052-162-A2, G-052-182-A2, G-052-990-A2, G-055-005-A2, G-055-025-A2, G 060 162 A2, GUS 000162
AW-1 (19256039)
Bmw – 83 22 0 440 214, 83 22 9 407 765, 83 22 0 142 516, 83 22 0 403 249, 83 22 2 152 426 (LT 71141, LA2634, ETL 7045E, ETL 8072B, M-1375.4)
Chrysler, Dodge, Eagle, Jeep - Mopar® ATF+3 (7176), ATF +4 (9602 / 05013457AA), AS68RC (05189966AA), NAG 1 (05127382AA )
Citroen / Peugeot – Z 000169756
Exxon Mobil - LT 71141
Ford - Mercon® V, LV e SP, Motorcraft® - XT-5QM, XT-6-QSP, XT-8-QAW, XT-9-QMM5, XT-10-QT
Fuchs - ATF 3353
GM - Dexron® III-G/H e VI (88861003) e T-IV (889000925 / 22697447)
Honda / Acura - 08200-9001 (ATF Z-1) e DW-1(exceto CVT)
Hyndai – ATF RED 1K (00232-19024), SP III (00232-19012) e SP IV (00232-19045)
Idemitsu – K17, ATF-HP
Isuzu
Jaguar - 8342 (C2C8432)
Jaso - 1A
JWS – 3309 (T-IV / 0000-77-114E-01), 3314, 3317 e 3324
Kia – ATF Red-1 (UM040-CH020), Diamond SP III (UM010-CH002) e SP IV (UM090-CH042)
Land Rover - LR002748 e LRN 13754
Mann - 339
Mazda - ATF M-V(T- M5) (0000-77-112E-01)
Mercedes Benz - 236.10 (A 001 989 21 03), 236.11 (A 001 989 22 03), 236.12 (A 001 989 45 03) e 236.14 (A 001 989 68 03)
Mini – 83 02 0 402 413
Mitsubishi - Dia Queen SP III (ACH1ZC1X05), J-3 (4031610)
N402
NWS - 9638
Nissan - D (999MP-AA100P), J (999MP-MTJ00P), K (999MP-MTK00P), S (999MP-MTS00P) e W (999MP-MTW00P)
Pentosin - ATF-I, FFL-2, FFL-3 e FFL-4
Porche - 000 043 207 29, 000 043 304 00
Renault – D3
Saab – 40-93-160-393, 93-165-147
Saturn – 22689186 (T-IV), 21005966
Shell - LA2634, LA3403-M 115, M-1375.4
Sterling - ATF
Subaru – K0140Y0700, S0A868V9241 (ATF-HP)
Suzuki – S, 3317
Texaco - ETL-7045E, ETL-8072B e N402
Toyota - T-IV (00279-000T4) e WS (00289-ATFWS)
TQ95
Voith - 55.6335.33 (G607), H55.6336.33 (G1363)
Volvo - 1161521, 1161540-8
ZF - Lifeguard 6, AA 00 601 304, S6 71 090 0255, S671 090 170, TE-ML 03D, 04D, 09, 11B, 14A, 14B, 14C, 16L, 17C


Mandei e-mail para a Z - Lub perguntando acerca de algumas das características físico - químicas do ATF VI deles e estou aguardando uma resposta. Aparentemente, trata-se de um bom produto e uma opção a mais bem interessante para os donos de carros com transmissão AL4 (Citroens e Peugeots de quatro cilindros) e AM6.

No exterior, há outras opções de fluidos, como os Valvoline Maxlife e o próprio Castrol Import Mulivehicle ATF, mas acho que o melhor, no Brasil, é ficar com as opções que te forneci.

Um abraço grande e estou à vossa disposição para mais dúvidas que surgirem.

Xamã :lol:
[/quote]





Caro Xamã - Vc realmente tem um conhecimento fabuloso, parabens.

Agradeço imensamente pelas informações, Moro aqui em Campinas SP ninguem tem maquina de frushing aqui para efetuar a troca de todo o ATF teria que me deslocar para SP o que pega e o tempo perdido, mas não esta fora de cogitação.
A principio vou msmo verificar o nivel do ATF embora acredito que como o carro não tem vazamento o oleo não evapora o nivel esteja OK ( me corrija se eu estiver errado) não sei se o oleo "some" da caixa.

Campinas tem um comercio bem pobre ja estou com dificuldade para encontar o MOTUL recomendado, na proxima semana vou continuar minha peregrinação , tambem vou tentar contato com a ZLUB talvez eles me digam se tem algum representante no estado ou na região que ja tenha o produto, ou me vendam direto da fabrica, uma empresa menor e mais facil negociar. Não gosto de comprar de Mercado Livre e outros.

Em ultimo caso vou na TOYOTA e pego o ATF deles mesmo, mas isso em ultimo caso.

Mas uma vez agradeço sua boa vontade em me ajudar pois estou ha muito tempo procurando uma informação firme como a sua. Nem nas empresas de cambio automatico aqui da cidade e nem a concessionaria da CITROEN e PEUGEOUT ( que tambem usou esse cambio no 407) tem um pouco (sim um pouco) de conhecimento e so me falaram absurdos dos mais variados.

Vamos mantendo contato. Parabens pela sua aquisição, C4 PALLAS e uma proxima opção de aquisição minha tambem.

Saudações cordiais !!!
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #6 por Xamã » Seg Out 08, 2012 12:25 pm

:D Nobilíssimo Tiuzão,

recebi há pouco uma resposta da Z - Lub.

Os caras estão vendendo a caixa com 12 litros do produto ATF - VI por R$ 600,00, o que dá um valor de R$ 50,00 por litro.

Achei razoável perto dos absurdos cobrados pelos ATF mais avançados que temos visto por aí. Não consigo encontrar o tal Motul Multi ATF por menos que R$ 65,00 o litro... :65322:

Me ofereceram uma opção mais em conta também.

A Z - Lub tem um óleo semissintético, chamado de MTF, que custa R$ 30,00 o litro e atende integralmente às especificações tanto da transmissão AM6 (JWS 3309) como das AL4 (LT71141).

Retornei o e-mail solicitando mais dados deste outro produto (o índice de viscosidade, por exemplo), apesar da preferência pelo fluido 100% sintético, mas não deixa de ser mais uma opção muito interessante e muito mais econômica para os proprietários dos veículos Citroen e Peugeot equipados com a transmissão AL4.

Os produtos parecem ter ponto de fulgor bem elevado, ou seja, parecem suportar numa boa o calor a mais destes câmbios e a compra de uma caixa com 12 litros de fluido ATF sairia, sem o valor do frete incluso, por coisa de R$ 360,00... :465974:

Acho, meu mais novo amigo, que o tópico já está se aproximando dos objetivos inicialmente por mim colimados, que era o de oferecer opções a mais de fluidos de boa qualidade para trocas regulares de óleo das transmissões AL4. Só de opções a mais, para quem tem carro com câmbio automático AL4, já temos o Motul Multi ATF, o Renaultmatic D3 Syn, o Z - Lub ATF - VI e o Z - Lub MTF.

Esta, penso eu, seria uma forma de evitar as constantes trocas de eletroválvulas "detonadas" por conta de lubrificante velho, decomposto e cheio de limalha.

Tô pensando seriamente me comprar logo 02 (duas) caixas do fluido ATF - VI e, aos 10.000 kms, mandar lavar logo a AL4 da minha "nave", pois não quero ter surpresas desagradáveis, nem desgastes a mais em uma transmissão que dura muito sim (bem mais que 100.000 kms), quando bem cuidada e revisada nos momentos necessários.

Um abraço grande,
Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
Avatar do usuário
rgdl
Zumbi
Mensagens: 2479
Registrado em: Qui Jun 02, 2011 10:59 pm
Nome: rgdl
Localização: São Gonçalo - RJ
Modelos Citroën: Xsara Picasso 2005 2.0 16v GXA

Mensagem #7 por rgdl » Seg Out 08, 2012 5:26 pm

Caro Xamã,

Gostei muito do seu tópico, visitei através do link que vc colocou no post sobre tranco do cambio automático no fórum do Xsara Picasso.

Mas ficou uma dúvida, deixa eu explicar um pouco para depois lhe perguntar:

1 - Pelo que vc disse o Motul Multi ATF tem uma viscosidade maior que o LT71141;

2 - Suponho que por ser o Motul Multi ATF 100% sintético vai manter a mesma viscosidade por mais tempo;

3 - Pelo que sei a central do cambio AL4 faz controle de viscosidade e esse controle é burro, isto é, não é feito através de qualquer sensor e sim através de um contador de queda de viscosidade pré determinado em função da quilometragem;

A questão entãao é a seguinte: A central com o tempo vai marcar um desgaste do óleo que de fato não existe, pois por ser melhor estará em melhor condição, isso não afetaria o desempenho do cambio, já que é dito que a central ajusta o funcionamento do cambio ao desgaste do óleo?

Seja como for, acho que vou seguir o seu conselho e usar o Motul Multi ATF por ser um óleo 100% sintético, e eu estou numa de tirar, na medida do possível, todos os óleos minerais ou semi sintéticos do carro. Óleo do motor já é 100% sintético 5W40.

Quanto a questão da troca dos fabricantes das solenoides, realmente não dá para afirma qual foi o motivo que fez a PSA trocar de fabricante, mas se houve mudança nas características técnicas da peça é porque a PSA determinou a mudança, o que é um claro indício de que ela identificou um problema de projeto. Isto é, a BorgWarner produzira a solenoide de 50hz se essa fosse a especificação, mas fez a mesma funcionando a 100Hz porque essa foi a especificação recebida da PSA.
Não respondo dúvidas por MP, e-mail ou whatsapp, valorize o fórum usando-o, a solução de sua dúvida pode ajudar muita gente não guarde ela só para vc.
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #8 por Xamã » Ter Out 09, 2012 3:56 pm

[quote name='rgdl' date='Oct 8 2012, 05:26 PM' post='19092']
Caro Xamã,

Gostei muito do seu tópico, visitei através do link que vc colocou no post sobre tranco do cambio automático no fórum do Xsara Picasso.

Mas ficou uma dúvida, deixa eu explicar um pouco para depois lhe perguntar:

1 - Pelo que vc disse o Motul Multi ATF tem uma viscosidade maior que o LT71141;

2 - Suponho que por ser o Motul Multi ATF 100% sintético vai manter a mesma viscosidade por mais tempo;

3 - Pelo que sei a central do cambio AL4 faz controle de viscosidade e esse controle é burro, isto é, não é feito através de qualquer sensor e sim através de um contador de queda de viscosidade pré determinado em função da quilometragem;

A questão entãao é a seguinte: A central com o tempo vai marcar um desgaste do óleo que de fato não existe, pois por ser melhor estará em melhor condição, isso não afetaria o desempenho do cambio, já que é dito que a central ajusta o funcionamento do cambio ao desgaste do óleo?

Seja como for, acho que vou seguir o seu conselho e usar o Motul Multi ATF por ser um óleo 100% sintético, e eu estou numa de tirar, na medida do possível, todos os óleos minerais ou semi sintéticos do carro. Óleo do motor já é 100% sintético 5W40.

Quanto a questão da troca dos fabricantes das solenoides, realmente não dá para afirma qual foi o motivo que fez a PSA trocar de fabricante, mas se houve mudança nas características técnicas da peça é porque a PSA determinou a mudança, o que é um claro indício de que ela identificou um problema de projeto. Isto é, a BorgWarner produzira a solenoide de 50hz se essa fosse a especificação, mas fez a mesma funcionando a 100Hz porque essa foi a especificação recebida da PSA.
[/quote]

:D Prezado rgdl,

o raciocínio quanto ao contador de desgaste do fluido do câmbio Al4 está corretíssimo.

De fato, a central Siemens adota uma contagem de queda da viscosidade do fluido a partir de fatores tais como tempo de funcionamento da caixa AL4 engrenada, temperatura do fluido do câmbio, rotação das engrenagens, quantidade de mudanças de marcha efetuadas e a quilometragem percorrida.

Não há qualquer análise efetiva da qualidade do óleo. Leva-se em conta, concretamente, a análise de um conjunto de fatores que não inclui o estado real de desgaste do líquido lubrificante. :65322:

O lado bom disso é que a grande modificação que a caixa efetua em sua forma de atuar está exatamente na forma como se dá o acoplamento dos discos de atrito, durante a passagem das marchas, ou seja, o que muda na forma de trabalhar da transmissão automática AL4 é a maneira como se dará a troca das marchas, razão pela qual são modificados os parâmetros de funcionamento das eletroválvulas, cinta de freio, pistões e dos já mencionados discos de atrito.

Assim, quando o óleo está novo em folha, com suas características físico - químicas ainda intactas, não há razão para que a caixa faça um acoplamento de discos mais lento e gradual, para evitar trancos, eis que existe uma viscosidade propicia a manter uma pressão de trabalho adequada e uma real capacidade de "amortecimento" entre as superfícies dos discos por parte do fluido. O óleo, em suma, tem uma capacidade maior, quando novo, de manter uma linha tênue que separa as peças e evita desgastes decorrentes do atrito direto. No entanto, quando o óleo já está degradado, com a viscosidade comprometida, há razão para que se queira um acoplamento de discos cada vez mais suave, de modo a evitar trancos, desgastes prematuros nos mesmos e também nas engrenagens do câmbio.

O uso de um fluido que, mesmo após grande quilometragem, ainda esteja em boas condições de utilização, só beneficiárá a vida útil do conjunto, eis que a caixa tenderá a um funcionamento cada vez mais suave e o lubrificante ainda auxiliará num desgaste menor de discos de atrito, engrenagens, cinta de freio e pistões.

Sem esquecer de mecionar que a presença de um lubrificante que demore mais a degradar no interior do câmbio AL4 ainda terá o condão de melhorar o funcionamento do tal contador de desgaste.

A explicação para isto é simples: o contador da central Siemens se baseia em dados de temperatura que são colhidos por um sensor localizado no interior da caixa. Normalmente, o fluido quando fica degradado, permite a formação de vernizes por sobre a superfície exposta deste sensor e tal fato prejudica a leitura de dados efetuada, o que acaba por levar a central a adotar estratégias erradas de funcionamento para o AL4.

Se o sensor permanecer mais tempo tendo condições de efetuar a coleta de dados correta/perfeita, tal fato auxiliará a central a adotar estratégia de funcionamento mais certa e duradoura.

Um outro fator que leva à opção por um fluido de melhor qualidade está diretamente relacionada à presença de particulados metálicos microscópicos no interior do corpo de válvulas da caixa AL4. Quanto mais proteção o óleo oferecer contra o desgaste das peças que atritam entre si, menor será a quantidade de limalha de aço em suspensão no óleo da transmissão e mais difícil será encontrar problemas nas eletroválvulas/solenóides.

Penso que, até hoje, as solenóides pagaram caro por um problema que não é delas exatamente, mas do estado do fluido de câmbio após certo tempo de uso nas caixas AL4. Afinal de contas, se levados em consideração fatores tais como a ausência de viscosidade adequada, a aperda das propriedades antidesgaste do fluido, a falta de atuação da aditivação modificadora de atrito - já degradada - e uma enorme quantidade de particulados em suspensão no óleo, teríamos que aceitar como normal o fato de que, mesmo quando adotadas estratégias de trabalho mais suaves pela central eletrônica de controle do câmbio, o funcionamento deste muito dificilmente seria o correto.

E realmente é normal o câmbio automático trabalhar "mal" ou "errado" quando seu fluido está muito desgastado. No caso específico dos AL4, a intromissão de impurezas metálicas no interior dos solenóides, das eletroválvulas, levaria as mesmas a colapso em seu funcionamento.

Assim, a função dos óleos/fluidos mais avançados seria a de manter o conjunto mais tempo dentro das "CNTP" :465974: (condições normais de temperatura e pressão), se pensarmos que a caixa estaria trabalhando mais limpa, sofrendo menos desgastes internos e com viscosidade que ainda permitiria o trabalho adequado dos discos de atrito e da cinta de freio. Aliás, a estratégia de trabalho programada pela central de gerenciamento do câmbio já prevê um óleo antigo no seu interior, mas que ainda guarde algumas características que permitem o funcionamento bom do conjunto. Jamais a programação da central faria a previsão de funcionamento de uma caixa de marchas na qual o fluido estivesse absolutamente imprestável para o uso, como é o que acontece na realidade.

Quanto às modificações sofridas nas eletroválvulas, estive pesquisando o porquê da alteração na frequência de trabalho das mesmas e verifiquei que tal mudança visou, principalmente, reduzir as temperaturas finais de trabalho dos atuadores elétricos e para que se obtivesse resposta mais rápidas das solenóides ante às solicitações do programa de gerenciamento da transmissão. Este teria sido o motivo das mudanças efetuadas.

Então, meu amigo, o uso de óleos mais avançados e de elevada qualidade e resistência às altíssimas temperaturas de trabalho da caixa AL4 não trará nenhum prejuízo à dirigibilidade do veículo ou ao funcionamento do câmbio isoladamente considerado.

Só aumentará - e muito - a sua vida útil. Obviamente que o contador deverá ser zerado todas as vezes que o fluido original for substituído pelo fluido novo e de especificação mais avançada. Desta forma é que a transmissão automática colherá as benesses da utilização de um óleo com viscosidade adequada e com aditivação mais eficiente contra desgaste e no que concerne à limpeza interna do conjunto.

Um abraço grande,
Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
tiuzao
Habilitado
Mensagens: 65
Registrado em: Qua Out 12, 2011 10:42 am
Nome: tiuzão

Mensagem #9 por tiuzao » Dom Out 14, 2012 8:26 am

caro Xamã - assim que possivel de uma analisada no ATF da TOTAL Lubrificantes o XLD-FE e um produto novo, sintetico e acredito que tambem seja um produto de otima qualidade, a atende a norma JWS3309 e outras

O que continuo com dificuldade e achar os produtos recomendados para meu carro.

Antes o dilema era saber o produto certo. Com sua ajuda isso ja foi desvendado.

O problema agora a achar o produto por aqui, estou na busca.

Manteremos contato dentro do possivel.


Saudações......................
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #10 por Xamã » Dom Out 14, 2012 8:35 pm

[quote name='tiuzão' date='Oct 14 2012, 08:26 AM' post='19143']
caro Xamã - assim que possivel de uma analisada no ATF da TOTAL Lubrificantes o XLD-FE e um produto novo, sintetico e acredito que tambem seja um produto de otima qualidade, a atende a norma JWS3309 e outras

O que continuo com dificuldade e achar os produtos recomendados para meu carro.

Antes o dilema era saber o produto certo. Com sua ajuda isso ja foi desvendado.

O problema agora a achar o produto por aqui, estou na busca.

Manteremos contato dentro do possivel.
Saudações......................
[/quote]

:D Saudações tiuzão!

O Total XLD FE pode ser usado sem problemas na tua transmissão AM6 e, curiosamente, também nas AL4. :65322:

Basta olhar o que diz esta ficha técnica do óleo, que está no link abaixo:
<a href="http://www.totaloil.com.au/Pages/content/NT0000C0E2.pdf" target="_blank">Total XLD FE</a>

A ficha diz que este fluido atende às especificações BMW, quando há a exigência de fluidos LT71141 ou LA2634.

Veja que atende também o padrão dos Toyota (T - IV).

Achei, no entanto, o ponto de ebulição do fluido baixo (212 ºC), para transmissões como as AL4, que têm problemas com a temperatura final de funcionamento (muito alta).

Ademais, tem índice de viscosidade alta e, no Brasil, é vendido por valor abaixo (em torno de R$ 50,00) dos atualmente praticados para os Mobil LT71141 e Pentosin ATF - 1.

Olha aí mais uma opção para as transmissões AM6 e AL4, com custo mais baixo... :465974:

Show de bola, tiuzão!!! :icon_smile_approve:

Este nosso "papo" de fluidos vai longe!

Um abraço grande,
Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #11 por Xamã » Dom Out 21, 2012 10:55 am

:D Muito bom dia pessoal,

façamos um breve resumo do que foi feito ou discutido até aqui:

Inicialmente, quando se falava em transmissão AL4, logo vinham em mente apenas os fluidos Mobil LT71141 (que é, na verdade, o antigo Esso LT71141) e Pentosin ATF1.

Hoje, já podemos falar em mais algumas opções. Vejamos quais são:

1º) Motul Multi ATF (fluido sintético, de alta performance, mas com custo de aquisição alto);
2º) Renaultmatic D3 Syn (fluido que é a mesma coisa que o Elfmatic G3 LL, mas que recebe nova denominação para ser vendido como produto original dos veículos Renault. É vendido por preço menor que o Mobil LT71141 e o Pentosin ATF1);
3º) Elfmatic G3 LL;
4º) Z - Lub ATF - VI (fluido sintético de alta performance, mas desconhecido. Trata-se de produto formulado a partir de matérias primas importadas e parece ser de excelente qualidade. Está sendo comercializado por cerca de R$ 50,00, o litro);
5º) Z - Lub MTF (fluido semissintético de alta performance. O que foi dito acerca do ATF - VI da Z - Lub vale para este produto. É comercializado por cerca de R$ 30,00, o litro);
6º) Total XLD FE (fluido semissintético de alta performance. Traz a vantagem de ser um produto comercializado por um grande fabricante de lubrificantes e de possuir alto índice de viscosidade. É comercializado, em média, por cerca de R$ 50,00, o litro).

Pelo que se lê na ficha técnica do Renaultmatic D3 Syn e do Elfmatic G3 LL, pode-se concluir que o fluido das transmissões AL4 parte de um óleo que atende à antiga especificação GM Dexron III. Nas duas fichas técnicas, é mencionado que se trata de um produto que atende à especificação mencionada. Provavelmente, é um fluido Dexron III - G, ou seja, um fluido Dexron III, mas com especificidades para atender às necessidades das transmissões BMW e Peugeot Citroen.

Se abordarmos a questão das opções incluindo produtos importados, podemos logo falar no excelente Castrol Import Multivehicle ATF, que se trata de um fluido vendido a preço baixo nos EUA e que apresenta elevada tecnologia de formulação. Apresenta alto ponto de fulgor (suporta muito calor numa boa) e ainda tem um dos maiores índices de viscosidade do mercado (IV = 200).

Bem, é isso por enquanto.

Acho que este "papo" ainda rende muito mais.

Que este domingo ensolarado seja só alegria para todos nós!

Um abraço grande,
Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
Avatar do usuário
rgdl
Zumbi
Mensagens: 2479
Registrado em: Qui Jun 02, 2011 10:59 pm
Nome: rgdl
Localização: São Gonçalo - RJ
Modelos Citroën: Xsara Picasso 2005 2.0 16v GXA

Mensagem #12 por rgdl » Seg Out 22, 2012 10:50 am

Oi Xamã, obrigado pela resposta.

Então podemos dizer que resetar o contador de desgaste de óleo em sua troca seria recomendado mas não fundamental?

Pergunto isso porque aqui no Rio de Janeiro é dificilimo encontrar uma oficina especializada em cambio automático que além de fazer a troca também faça o reset do contador. E como meu irmão tem oficina... se não for obrigatório o reset do contador vou levar para ele efetuar a troca.

Sabe quantos litros eu precisaria para efetivamente remover todo LT71141 do cambio? Sei que a caixa usa 6 litros e já houvi dizer que ficam 2 litros no conversor de torque e no sistema de arrefecimento do óleo.

Sei que tinha uma regra de três para fazer essa conta, mas não lembro dela... kkkk
Não respondo dúvidas por MP, e-mail ou whatsapp, valorize o fórum usando-o, a solução de sua dúvida pode ajudar muita gente não guarde ela só para vc.
Xamã
Habilitado
Mensagens: 120
Registrado em: Qui Set 06, 2012 1:07 am
Nome: Xamã

Mensagem #13 por Xamã » Seg Out 22, 2012 3:50 pm

[quote name='rgdl' date='Oct 22 2012, 09:50 AM' post='19195']
Oi Xamã, obrigado pela resposta.

Então podemos dizer que resetar o contador de desgaste de óleo em sua troca seria recomendado mas não fundamental?

Pergunto isso porque aqui no Rio de Janeiro é dificilimo encontrar uma oficina especializada em cambio automático que além de fazer a troca também faça o reset do contador. E como meu irmão tem oficina... se não for obrigatório o reset do contador vou levar para ele efetuar a troca.

Sabe quantos litros eu precisaria para efetivamente remover todo LT71141 do cambio? Sei que a caixa usa 6 litros e já houvi dizer que ficam 2 litros no conversor de torque e no sistema de arrefecimento do óleo.

Sei que tinha uma regra de três para fazer essa conta, mas não lembro dela... kkkk
[/quote]

:D Prezado rgdl,

o reset do contador do câmbio é fundamental, pois a troca do fluido sem o mesmo estar zerado levará o câmbio a um comportamento estranho, com trocas mais lentas de marcha, como se o fluido ainda estivesse velho.

Para aproveitar os efeitos benéficos do fluido novo no câmbio AL4, como o funcionamento mais eficaz das trocas sequencias e mudanças de marcha mais suaves e em velocidades menores (maior economia de combustível), necessário se faz resetar o contador, o que se consegue com o LEXIA.

Quanto à troca do fluido de forma completa, há que se fazer a seguinte conta: o AL4 leva, no total, 6,7 litros de óleo. Quando o bujão é aberto, escorrem cerca de 4,4 ou 4,5 litros. Assim, depois que a caixa for drenada, ficam cerca de 2,2 litros de fluido dentro do conversor de torque.

Aí, o negócio é encher a caixa novamente com 4,5 litros e fazer a mesma funcionar até esquentar uns 85ºC, deixando a AL4 fazer as trocas automáticas e também acionando o modo sequencial. Desta forma, o amigo estará fazendo o fluido novo correr e "lavar" todo o corpo de válvulas do câmbio, incluindo as tão criticadas eletroválvulas.

Drene a caixa novamente e repita todo o processo por, no mínimo, 03 (três) vezes. Na última vez que abastecer a caixa, é necessário fazer a checagem do nível do fluido, retirando o bujão de checagem do nível para que eventuais excessos de óleo escorram e não elevem em demasia a pressão de trabalho da caixa automática.

Neste momento, o contador do câmbio deverá ser zerado no LEXIA. Só depois disso o carro deverá ser submetido a teste de rodagem. A caixa, após a "lavagem", deverá trabalhar mais silenciosa, com mudanças de marcha mais rápidas e com as citadas trocas ocorrendo de maneira quase imperceptíveis, bem suaves.

O funcionamento deverá ficar "macio", se é um termo que podemos aplicar às AL4 quando estão novas de novo... :P

Estamos falando, portanto, em um gasto de cerca de 18 (dezoito) litros de fluido (3 trocas + 1 abastecimento definitivo).

Esta é a forma de garantir que o óleo que ficará na caixa será 100% novo.

Não é barato, mas é o correto. Daí a minha preocupação em encontrar produtos que sejam baratos, eficientes, e possibilitem que o procedimento seja refeito a cada 50.000 kms, como acontece com as outras caixas de câmbio de carros automáticos.

A necessidade das trocas regulares se faz necessária principalmente pelo problema crônico de refrigeração do câmbio dos nossos Peugeots e Citroens da vida. A caixa não tem radiador de óleo próprio, mas um trocador de calor pífio (por isso, o sistema de refrigeração da caixa não retém óleo, como acontece nas que têm radiador de óleo próprio...), que aproveita a água do sistema de refrigeração dos carros para controlar a temperatura da transmissão. O excesso de temperatura leva o óleo simplesmente a "fritar" (!!!) com o passar do tempo... :65322:

A AL4, desta forma, terá vida tão longa quanto às demais caixas que conhecemos. O fluido novo propiciará um funcionamento correto das eletroválvulas e evitará as falhas que mancham, até hoje, a estória desta transmissão.

Um abração meu amigo. E mãos à obra, para deixar a C4 Picasso com a caixa automática nova de novo!

Xamã :lol:
C4 Pallas GLX BVA 2011/2012 prata
Effa Plutus 3.2 CD 2011/2012 (surpreendente)
Ssangyong Kyron GLS 2.0 Turbodiesel 2012
helder mercedes
Sem Habilitação
Mensagens: 11
Registrado em: Ter Out 23, 2012 5:38 pm
Nome: helder1000

Mensagem #14 por helder mercedes » Qui Out 25, 2012 11:00 am

Bom dia!
Parabens Xamã pela pesquisa e informações e esclarecimentos prestados aqui.
Tenho um C-4 Palllas com cambio AL-4 e há um tempo atras meu veiculo apresentava uns trancos e na primeira marcha as vezes era mais forte.
Levei a uma oficina aqui em Brasilia(Pappas Veiculos) e lá fizeram a analise do oleo que estava escuro, porem sem cheiro de queimado(segundo o mecanico) e que apos diagnóstico eletronico não tinha nenhum erro.
Fiz a troca de oleo usando o produto da Z-LUB MTF, em que fizeram a lavagem e troca.
Me surpreendi, pois o veiculo parou com os trancos e ficaram mais suave as trocas de marchas.
Antes de aceitar a troca com o produto MTF da Z-LUB fiz uma pesquisa em outras oficinas em Brasilia que trabalham com cambio automatico e em oficinas especializadas em Peugeot Renault e Citroen, liguei ate para um mecanico em Goiania(Andre) e o produto tem uma grande aceitação na região, e é bastante utilizado e recomendado por eles na linha AL-4.
Estou satisfeito e paguei á vista R$ 45,00 o litro mais R$ 150,00 de mão de obra.
Voltei a oficina após 3.000 km para nova verificação e o oleo estava com a coloração clara.
Espero ter ajudado com minha experiencia e fica a dica do produto que achei de qualidade e tem preço acessivel.
Abraço.
Avatar do usuário
rgdl
Zumbi
Mensagens: 2479
Registrado em: Qui Jun 02, 2011 10:59 pm
Nome: rgdl
Localização: São Gonçalo - RJ
Modelos Citroën: Xsara Picasso 2005 2.0 16v GXA

Mensagem #15 por rgdl » Qui Out 25, 2012 12:51 pm

Aqui no Estado do Rio está difícil achar esse Z-Lub.

Também fiz uma pesquisa na internet sobre esse óleo z-lub e cheguei a mesma conclusão. Realmente ninguém reclama do óleo, todo mundo que colocou está satisfeito.

Reparei também que a Z-Lub é de Brasília o que deve facilitar encontrar o óleo ai.

Aqui eu encotrei o Renaultmati D3 syn por R$455,70 a caixa com 12 unidades, o que faz R$ 38,00 o Litro em uma distribuidora de lubrificantes.

<a href="http://www.duchaolubrificantes.com.br/catalogo/produto.html?id=686" target="_blank">http://www.duchaolubrificantes.com.br/cata...uto.html?id=686</a>
Não respondo dúvidas por MP, e-mail ou whatsapp, valorize o fórum usando-o, a solução de sua dúvida pode ajudar muita gente não guarde ela só para vc.


  • Tópicos Similares
    Respostas
    Exibições
    Última mensagem

Voltar para “C4 (VTR, Hatch, Pallas, Lounge)”

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes